segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Visita ao Hospital da Lagoa

Fui recebida pela Roberli Helena Bicharra Pinto (Diretora) e Adriana Oliveira Barros (Cordenadora Assistencial) e fiquei muito feliz ao ver as dependências do hospital depois da reforma. Tudo funciona em sintonia com os jardins de Burle Max e com a suntuosa recepção projetada por Oscar Niemeyer.

O hospital se modernizou e corredores e enfermarias não deixam a desejar para muitos hospitais da rede privada. Um clima de cuidado e humanização dos serviços.

O hospital é 100% SUS e atende diversas especialidades como cardiologia, urologia, doenças infecciosas adulto e pediátrica, cirurgia geral, onco hematologia, cirurgia plástica, cirurgia de cabeça e pescoço e proctologia, entre outras.

Para ter acesso é só ser atendido em algum Posto de Saúde, Clínicas da Família e UPAS e entrar no Sistema de Regulação do Município.



 





Visita à Clínica da Família Olímpia Esteves

Fica em Realengo a primeira unidade do novo modelo de saúde adotado pela atual gestão da Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil (SMSDC). Inaugurada em 14 de novembro de 2009, a Clínica possui seis equipes de Saúde da Família e três equipes de Saúde Bucal, beneficiando 24.000 pessoas. A Clínica também está equipada com uma Academia Carioca da Saúde e faz parte da reestruturação do modelo de saúde do Rio de Janeiro

Os ambientes são espaçosos, arejados e muito bem cuidados. Além dos serviços prestados, a população tem conforto. Adorei!






quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Visita ao Rio Imagem

Fiquei bastante entusiasmada ao visitar o Rio Imagem esta semana. Eles já fazem 800 exames
por dia, entre eles:
 
 Mamografia
 Ultra-som
 Biópsias guiadas por ultra-som
 Doppler
 Ressonância magnética
 Biopsia de mama por esteriotaxia
 Ressonância cardíaca
 Ressonância magnética de mama
 Tomografia das coronárias
 Eco cardio fetal
 
Segundo os cooordenadores: "Sugira o exame que nós fazemos!". Achei interessante. Ricardo Neves e Leonardo Veloso são os coordenadores médicos radiologistas. Maria Luísa Marsillac é radiologista e coordenadora do setor da mulher.

Está programado ter Residência Médica no próximo ano, além de trabalhos científicos e
palestras, conforme o contrato feito pelo estado com o consórcio que administra o Rio Imagens.

Todos os moradores de qualquer município do estado do Rio de Janeiro têm acesso. Basta que ele seja atendido em Unidade Pública de Saúde e necessite de exames de imagem, este será solicitado pelo médico e a administração da unidade através do Sistema de Regulação de Exames. O exame é avisado ao paciente por telefone, ou por mensagem (SMS).
 
É espetacular: tecnologia avançada e atendimento primoroso. Eu acredito que a população do estado do Rio está coberta pelo SUS com o que há de melhor no que tange a exames de imagem. Onde fica? Na avenida Presidente Vargas, bem próximo a estação de metrô Praça Onze.





Atendimento VIP às mães do Alemão

Programa que já existe na Rocinha e em Santa Cruz tem central 24 horas para acionar ambulância exclusiva para gestantes.

Ao sentir fortes contrações, Cíntia de Lima da Silva, 24 anos, sabia que, se dependesse de ônibus ou mesmo táxi, teria um parto arriscado no caminho para a maternidade. Mas a moradora da Rocinha tinha ambulância de prontidão e, em menos de 15 minutos, ocupou um leito reservado no Hospital Miguel Couto, no Leblon. Cíntia foi uma das primeiras atendidas desde o pré-natal pelo programa municipal Cegonha Carioca, que levará o mesmo serviço de transporte às futuras mamães do Complexo do Alemão ainda neste trimestre.

Grávidas de Madureira, Irajá, Pavuna e Acari também serão incluídas até o fim de março. “Tive dilatação total bem na hora do rush, no início da noite. Ainda bem que não precisei me preocupar”, conta a mãe de Alana, que nasceu saudável, quinta de madrugada. Um dia antes, foi a vez de Bruna Graziela Avelino dar à luz Maria Luisa, na mesma unidade e com as mesmas facilidades. “Tive uma gravidez tranquila, sem medo de perambular à procura de uma maternidade”, conta.

Pelo Cegonha Carioca, toda gestante que faz o pré-natal em maternidade municipal pode escolher a maternidade e garantir vaga para o parto, além de receber um kit enxoval para o bebê. Mas, por enquanto, a central telefônica 24 horas, inclusive fins de semana e feriados, e ambulâncias exclusivas para o transporte das gestantes só estão disponíveis para moradoras da Rocinha e de Santa Cruz. Os serviços serão expandidos gradualmente para o restante da cidade até o fim do ano.

Fonte: Jornal O Dia - Diogo Dias

Ótima Notícia

O antigo prédio do INTO (Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia) vai se transformar em um complexo para neurocirurgia com tratamentos de acidentes vasculares cerebrais (AVCs) isquêmicos, neurocirurgias avançadas, além de transplantes de córneas e cirurgias oftalmológicas. Fica na rua do Resende, bem pertinho do Inca.

Os pacientes com AVC receberão o primeiro atendimento nas UPAS e de ambulância serão levados para o "hospital do cérebro". A diminuição de seqüelas será um grande ganho. Tomara que seja rápida esta obra, que já está orçada!

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Cegonha Carioca Feliz com Enxovais

O Programa Cegonha Carioca atingiu a distribuição de 22.000 enxovais. Dos 35.000 nascimentos por ano no Rio de Janeiro 20.000 estão cobertos pelo Cegonha Carioca. O módulo de transporte esta em expansão!

SUS inagura Tomógrafos de Última Geração

Estão sendo inaugurados hoje 3 tomógrafos Multisliced de 16 canais nos Hospitais Municipais Miguel Couto, Souza Aguar e Salgado Filho. São tomógrafos que em nada devem aos da iniciativa privada. Aliás, os tomógrafos usuais têm apenas 6 canais e nem todos atualizaram seus tomógrafos. Eles têm estação de biopsia e cardiológica.

São ideais Ideal para trauma por serem Multisliced (mostram  diversos cortes) e sao ultra rápidos.  Muito breve os Hospitais Paulino Werneck e o Pedro II ganharão estes  tomógrafos também.  O sistema de regulação dá acesso a toda a população que necessita destes exames.

Ponto para o SUS!

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Gestante e parceiro sexual irão fazer teste rápido de HIV

Gestantes e seus parceiros sexuais, como marido ou namorado, poderão fazer teste rápido para o diagnóstico de HIV e sífilis na rede básica de saúde pública, conforme portaria do Ministério da Saúde publicada ontem no Diário Oficial da União. De acordo com a portaria, os testes de sangue serão feitos durante o pré-natal pelo programa Rede Cegonha. O resultado sai em menos de 30 minutos. Diagnosticar e tratar essas doenças o mais rápido possível durante a gravidez é importante para impedir a transmissão para o bebê. De 2000 a 2009, foram identificadas 54.218 gestantes com o vírus da AIDS no país, de acordo com o Ministério da Saúde. Apesar da média nacional ter caído de 5,4 casos para 3 casos por 100 mil habitantes em crianças com menos de 5 anos de idade no período, houve aumento da incidência da doença nas crianças nas regiões Norte e Nordeste. Nessa faixa etária, a principal forma de transmissão é a vertical, de mãe para filho na gestação. O indicado é fazer o teste no primeiro trimestre de gestação e repeti-lo no último mês e antes do parto, já na maternidade. O tratamento da mãe e do bebê é a base de penicilina. Fonte: O Povo do Rio, 14/01/2012

Parabéns, Dilma!

Foi decisão da presidente Dilma determinar que o SUS retirasse as próteses de silicone que representam risco à saúde das mulheres. Fonte:O Globo, 14/01/2012

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Assistência Farmacêutica

Caracteriza-se como uma estratégia da política de assistência farmacêutica, que tem por objetivo disponibilizar medicamentos no âmbito do Sistema Único de Saúde para tratamento de agravos inseridos nos seguintes critérios:

 • Doença rara ou de baixa prevalência, com indicação de uso de medicamento de alto valor unitário ou que, em caso de uso crônico ou prolongado, seja um tratamento de custo elevado; e

 • Doença prevalente, com uso de medicamento de alto custo unitário ou que, em caso de uso crônico ou prolongado, seja um tratamento de custo elevado desde que:




• Haja tratamento previsto para o agravo no nível da atenção básica, ao qual o paciente apresentou necessariamente intolerância, refratariedade ou evolução para quadro clínico de maior gravidade, ou

 • O diagnóstico ou estabelecimento de conduta terapêutica para o agravo estejam inseridos na atenção especializada.



Locais de Cadastro e Retirada de Medicamentos do CEAF

Capital:

RIOFARMES – Farmácia Estadual de Medicamentos Especiais

Rua Júlio do Carmo, s/n – Cidade Nova (ao lado do metrô da Praça Onze)

2ª à 6ª das 08:00 às 17:00 horas.


Pólos do CEAF/RJ – Interior do Estado

Angra dos Reis

Fusar

Rua Almirante Brasil, 49 - Balneário

(24) 3377-5859 R. 213


Barra do Piraí

Posto de Saúde Albert Sabin

Rua Angélica, 238 - Santana

(24) 2444-4594


Barra Mansa

Farmácia Municipal de Barra Mansa

Rua João Chiesse Filho, 1000 - Centro

(24) 3323-0473


Bom Jesus do Itabapoana

Farmácia e Almoxarifado Central

Rua Gonçalves da Silva, 210 - Centro

(22) 3831-1196


Cabo Frio

Posto de Assistência Médica

Rua Teixeira e Souza, 2.228 - São Cristóvão

(22) 2645-5593


Campos dos Goytacazes

Secretaria Municipal de Saúde

Rua Voluntários da Pátria, 875 - Centro

(22) 2726-1359/1350/1375 ou (22) 2733-4856


Cordeiro

Centro de Saúde de Cordeiro

Rua Nacib Simão, 1325 - Rodolfo Gonçalves

(22) 2551-2588/ 1293/ 2245 R. 219


Duque de Caxias

Centro Municipal de Saúde de Duque de Caxias

Rua General Gurjão, s/nº - Jardim 25 de Agosto

2672-0450


Itaboraí

Secretaria Municipal de Saúde - Farmácia Básica

Rua Desembargador Ferreira Pinto, 09 - Centro

3639-2639


Itaperuna

Famácia de Medicamentos Excepcionais

Rua Lenira Tinoco Calheiros nº 38 - Centro

(22) 3822-2960


Macaé

Posto de Saúde Dr. Jorge Caldas

Praça Washington Luis, s/nº - Centro

(22) 2762-4188


Magé

Farmácia Central

Estrada do Contorno s/nº - Piedade

(21) 8799.8212

Miguel Pereira

Centro Especializado de Saúde Senador Roberto Campos

Rua Hamilton Alexandre, 40 - Centro

(24) 2484-3813


Niterói

Policlinica Regional Carlos Antonio da Silva

Avenida Jansem de Mello, s/nº - São Lourenço

2622-9331

Nova Friburgo

Policlínica Centro Dr. Silvio Henrique Braune

Rua Plínio Casado, s/nº - Centro

(22) 2522-7516


Nova Iguaçu

Centro de Saúde Dr. Vasco Barcelos

Rua Cel. Bernardino de Melo, 1895 - Centro

2698-1011/ 2768-5921/ 2667-4559


Paraíba do Sul

Farmácia Geral Municipal

Praça Garcia, s/nº - Centro

(24) 2263-2540/ 1579 R. 31


Petrópolis

Centro de Saúde Coletiva Prof. Manoel José Ferreira

Rua Santos Dumont, 100 - Centro

(24) 2246-9194/ (24) 2237-3616 R. 208


Rio Bonito

Secretaria Municipal de Saúde

Rua Getúlio Vargas, 691 - Centro

(21) 2734-0610


Santo Antônio de Pádua

Secretaria Municipal de Saúde

Avenida João Jasbick, 520 - Aeroporto

(22) 3853-3194


São Gonçalo

Secretaria Municipal de Saúde

Rua Francisco Portela, 2421 - Parada 40

(21) 2712-5009


Teresópolis

Secretaria Municipal de Saúde de Teresópolis - Divisão de Farmácia

Rua Júlio Rosa, 366 - Tijuca

(21) 2741-1925


Três Rios

Policlínica Walter Gomes Franklin

Rua da Maçonaria, 320 sala 07 - Centro

(24) 2251.1236


Valença

Farmácia Municipal

Rua Silva Jardim, 235 - Centro

(24) 2452-7533/5145


Vassouras

Policlínica de Vassouras

Praça Cristóvão Correia e Castro, 32 - Centro

(24) 2471-1984


Volta Redonda

Farmácia Municipal de Volta Redonda

Rua Edson Passos, 171 - Aterrado

(24) 3339-9467/9465

Após aprovação do cadastro, os medicamentos são retirados pelo paciente ou responsável autorizado, mensalmente, nos locais abaixo:

A cada 3 meses novo formulário LME e receita médica atualizados devem ser apresentados no local de retirada do medicamento. As receitas de medicamentos sob regime especial de controle (PT 344/1998/ANVISA) devem ser apresentadas a cada 30 dias.




Coordenação Geral de Medicamentos Especializados SESDEC/RJ

Contato:
excepcional.farmacia@saude.rj.gov.br
Telefones:
2333.3891 / 2333.3908 / 2333.3998 / 2333.3896




Relação de documentos necessários para o cadastro no CEAF:


Documentos pessoais:
  • Original e Cópia de Documento de Identidade ou da Certidão de Nascimento
  • Cópia do Cartão Nacional de Saúde/ SUS
  • Cópia do comprovante de residência

Documentação médica:
  • Laudo de Solicitação, Avaliação e Autorização de Medicamentos (novo LME), em 1 via, preenchido de acordo com as Instruções de Preenchimento, emitido a menos de 60 dias
  • Receita Médica, em 2 vias, com a prescrição do medicamento feita pelo nome genérico do princípio ativo, emitida a menos de 60 dias (validade de 30 dias para medicamentos sob regime especial de controle – PT 344/1998/ANVISA). Clique aqui para ver os medicamentos do CEAF sob regime especial de controle PT 344/1998/ANVISA.
  • Observar que o laudo médico será substituído pelo Laudo de Solicitação que deverá conter a descrição do quadro clínico do paciente, menção expressa do diagnóstico, tendo como referência os critérios de inclusão previstos nos Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas - PCDT do Ministério da Saúde, nível de gravidade, relato de tratamentos anteriores (medicamentos e período de tratamento), emitido a menos de 60 dias.
  • Exames laboratoriais e de imagem previstos nos critérios de inclusão do PCDT.

Cadastro de pacientes particulares e de planos de saúde:
  • Os pacientes devem apresentar a documentação médica e pessoal descrita acima. O LME somente poderá ser emitido por médicos vinculados a consultórios/clínicas particulares inscritos no CNES – Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde do Ministério da Saúde. O profissional médico deve buscar informação junto às secretarias municipais de saúde (setor de avaliação e controle) sobre como proceder ao cadastro do consultório/clínica no CNES.

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

SUS atende Casos de Implante com Defeito


Mulheres que tenham problemas com implantes podem procurar assistência médica
no SUS para o atendimento e, se necessário, substituição da prótese sem nenhum custo. Reclamações contra os implantes mamários de silicone da marca PIP foram feitas formalmente à Ouvidoria da Agência Nacional de Vigilância Sanitária; no fim de 2011, presidente do órgão disse que não havia nenhuma denúncia contra esses produtos.


Anvisa recebeu 12 reclamações contra próteses francesas desde 2010

Em dezembro, presidente do órgão disse que não havia registro de reclamação contra o produto. Em Brasília, a Ouvidoria da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recebeu desde abril de 2010 pelo menos 12 reclamações de mulheres que tiveram problemas com a prótese mamária de silicone da marca francesa Poly Implant Protheses (PIP).


Oitenta e duas queixas foram feitas em relação a outras marcas. Nesta quinta-feira, 5, o Estado revelou que ao menos duas mulheres informaram à Anvisa ter tido problemas com o implante da PIP, mas não tiveram resposta: Jany Simon Ferraz, de 54 anos, e Denise Villar Berretta, de 56. As duas registraram queixas formalmente em abril de 2010, logo depois de a agência determinar a suspensão do uso do produto no País por conta da má qualidade.


Jany e Denise afirmaram nunca ter recebido uma resposta da agência sobre como
proceder e o que fazer naquela situação - as próteses estavam rompidas. "Recebi um
e-mail da Anvisa logo depois, pedindo o número da prótese para investigação, e nunca mais tive retorno. Voltei a escrever em dezembro, depois que vi o caso na televisão", diz Jany.


Procurada na quarta-feira, 4, a agência não se manifestou. Em entrevista anterior ao
Estado, em 29 de dezembro, Dirceu Barbano, presidente da Anvisa, afirmou que a
agência não tinha nenhum registro de reclamação conta as próteses de silicone
francesas.


Na quinta-feira, no entanto, a agência informou que não havia registro de notificações sobre problemas com as próteses no sistema Notivisa - que reúne dados informados por profissionais de saúde -, mas não teria se referido aos números de queixas de pacientes. Informou também que a Anvisa possui registro apenas de Jany.

"Naquele momento, o aconselhamento já havia sido dado de forma geral: a recomendação era para pacientes procurarem seus médicos", disse o presidente adjunto da Anvisa, Luis Alberto Klassmann. Ele afirma que os dados coletados pela ouvidoria passaram a ser reavaliados depois da comprovação do risco maior de ruptura das próteses feitas com material adulterado da PIP.

"Por enquanto, os dados que temos não mostram haver um número elevado de reações adversas. Há menos reações com os implantes que com o ácido acetilsalicílico."

Os números

O País importou 34.631 unidades da marca PIP, das quais 24.534 foram vendidas. As outras 10.097 próteses serão descartadas. A forma como descarte deverá ser feito será discutida nesta sexta-feira, 6, em reunião com representantes da distribuidora do produto no País, a EMI. Klassmann afirmou que parte dos implantes foi usada em centros de referência de câncer, em cirurgias de reconstrução mamária após a retirada das mamas.

No dia 11, a Anvisa, representantes de sociedades médicas e do Ministério da Saúde
deverão definir a estratégia que será adotada para acompanhar as mulheres que
receberam a prótese. A agência tem em mãos um mapa com informações dos serviços que receberam os implantes e de quantas foram usadas. A maior parte está no Sul e Sudeste.

Klasmann afirma que parte das mulheres que recebeu a prótese da marca PIP já fez a
troca, mas por razões de praxe. "A recomendação é de que produto seja periodicamente trocado."

A Anvisa enviou amostras das próteses para serem analisadas laboratorialmente. Os
resultados serão usados para instruir um Inquérito Administrativo Sanitário, aberto pela agência para apurar o caso. A expectativa é de que as investigações sejam concluídas até o meio do ano.

Klassmann disse que não há recomendação para a realização de um mutirão para que
mulheres sejam submetidas à retirada da prótese. "Vamos aguardar as definições no
dia 11."

Atendimento para troca pode ser feito na rede pública
Mulheres que usam próteses de silicone que causem qualquer tipo de dano ou aumentem os riscos à saúde podem procurar assistência médica no SUS, que fará a troca sem custo, desde que não seja por motivo estético.

Segundo o Ministério da Saúde, esse tipo de procedimento já é feito para qualquer
marca de prótese - e não será feito exclusivamente para as pacientes que usam o
silicone da empresa PIP.

Isso ocorre porque o SUS é um sistema de saúde universal. Porém, a mulher que buscar atendimento na rede pública terá de passar por todas as consultas e exames no SUS e só fará a cirurgia reparadora ou reconstrutiva da mama para trocar o silicone caso o médico entenda que há um risco comprovado à saúde.

Assim, a primeira orientação do ministério continua sendo que a mulher com as próteses PIP procure o médico e o serviço de saúde responsáveis pela primeira cirurgia para análise.

Segundo o mastologista José Luiz Pedrini, vice-presidente da Sociedade Brasileira de
Mastologia, as mulheres levam até dois anos para colocar a prótese após uma cirurgia de retirada das mamas, embora a lei determine que isso seja feito imediatamente.

O Ministério da Saúde diz que não recebeu demandas para substituição de próteses PIP porque o sistema é descentralizado e a responsabilidade é dos hospitais.



Fonte: O Estado de São Paulo

06/01/12

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

O SUS em Búzios


Neste final de ano e tempo de descanso, aproveitei para ver como anda o SUS em Búzios. Para minha surpresa, cada bairro tem um módulo da Clínica da Família com um médico clínico geral  que marca a consulta com especialista na policlínica,  quando necessário. A policlínica fica em Manguinhos,  próxima ao trevo. Ela é o centro de especialidades: ortopedia, neurologia, proctologia, pediatria, dermatologia, geriatria, neuropediatra, pneumologia e gastroenterologia.
 
São oito Unidades de Saúde da Família, todas informatizadas. Então o paciente já sai agendado para policlínica. Os bairros onde estão localizados as clinicas da família são:
 
Brava
São José
José Gonçalves (com apoio em Baía Formosa)
Custódio Alves

Cem Braças
Rasa
Cruzeiro
Vila Verde
 
 
Búzios já tem 70%  de cobertura. O projeto é chegar a 15 equipes, hoje são 9 equipes trabalhando.
 
A Clínica da Família oferece:
Médico Clínico Geral
Dentista
Enfermeiro
Técnico de Enfermagem
Auxiliar de Consultório Dentário
Agentes Comunitários
Auxiliar Administrativo
 
A população é cadastrada na Clínica da Família de referência portanto em caso de mudança, devem se cadastrar no novo endereço. Geralmente o Agente Comunitário acompanha a chegada dos novos moradores da região.
 
Há também um Centro de Fisioterapia e o paciente tem transporte para ir ao centro de acordo com a indicação. Todos os funcionários são do município, concursados.
 
Exames
 
São feitos todos de todas as complexidades. São feitos em clínicas privadas credenciadas pelo SUS. Estas clínicas ficam em Cabo Frio, Araruama e São Pedro da Aldeia - cidades vizinhas. Oftalmologia fica em  Niterói, na Clinica Santa Beatriz.
 
Os pacientes diagnosticados com câncer são operados em Búzios ou Cabo Frio.  A quimioterapia é feita na clinica conveniada ONCOSol  e a radioterapia em Cabo Frio na Clínica Santa Isabel. A Secretaria de Saúde de Búzios busca os pacientes em casa.
 
O Hospital Rodolfo Perissê  é o hospital Municipal de Búzios, atende a alta complexidade (cirurgias por exemplo)
 
Cirurgia geral
Ginecologia
Obstetrícia
Emergência
 
Há também um posto  de urgência na Praia Rasa com um dois clínicos de plantão  e ambulância na porta para transportar para o hospital sempre que necessário.
 
O atendimento pré hospitalar é semelhante ao SAMU - telefone 193 ou o telefone do hospital é: 2623-7165. A base das ambulâncias é no hospital. Eles fazem atendimento na rua ou na casas, é só chamar. A informatização das unidades de saúde  melhorou muito a agilidade no atendimento: "Sistema de Informação da Saúde".



Os tratamentos fora de domicílio são encaminhados para a Secretaria Estadual de Saúde que fará a regulação do paciente quando necessário. "Mas o paciente vai com tudo pronto", diz orgulhosa a enfermeira Renata que me recebeu.
 
Em torno de 28 mil habitantes.
NASF (Núcleo de Apoio a Saúde da Família) é composto por um Psicólogo, dois Educadores Físicos, Nutricionista, Pediatra , Fisioterapeutas, Terapeuta Ocupacional e Assistente Social, Odontólogo e Psiquiatra. O  NASF é o apoio das Clínicas da Família e desenvolvem diversas atividades, inclusive nas residências dos pacientes.
 
A obra próxima a Prefeitura terá um local espetacular para a Coordenação da Saúde da Família. Renata Barbosa Henrique é Enfermeira Supervisora do Projeto Saúde da Família.
É pós-graduada em Promoção de Saúde,  Alta Complexidade e Enfermagem do Trabalho.
Seu e-mail de contato é renatsbh@ig.com.br

Renata avalia: "ainda não estamos funcionando 100%, mas estamos caminhando, queremos chegar à excelência no atendimento à população"
 
Minha conclusão e que Búzios está de parabéns. Acho que vou me mudar pra lá em breve!


terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Governo Prepara Amplo Programa para Estimular Complexo Industrial da Saúde

O governo Dilma Rousseff deve anunciar, já no primeiro trimestre deste ano, um amplo estímulo à indústria de máquinas e equipamentos médicos e hospitalares e também para os fabricantes de produtos farmacêuticos. Informalmente chamado de apoio ao complexo industrial da saúde, o programa estará centrado em dois eixos - o primeiro, sustentado pelas compras governamentais para o Sistema Único de Saúde (SUS), será lançado já no primeiro trimestre, enquanto o segundo, sustentado em estímulos fiscais, deve ficar pronto no segundo semestre.

A grande preocupação do governo é com o enorme déficit comercial que o complexo
industrial da saúde registrou em 2011, de quase US$ 11 bilhões. A avaliação dos técnicos do governo é que a produção nacional é boa e ramificada, mas deixa a desejar em escala, no que é atropelada pelos competidores estrangeiros. Essa discussão está sendo feita no âmbito de um conselho de ministros formados pelos mandatários das pastas da Fazenda, do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, de Ciência, Tecnologia e Inovação, do Planejamento e da Saúde. Na quinta-feira da semana passada, técnicos da Saúde e da Fazenda fecharam os últimos detalhes.

A principal medida será a instituição de uma margem de até 25% de ágio sobre o preço de uma máquina ou medicamento produzido no Brasil que participar de uma licitação pública. Com um orçamento de R$ 92,1 bilhões, o poder de fogo do Ministério da Saúde, que têm sob seu comando o SUS, avaliam os técnicos do governo, será determinante para a criação de musculatura da indústria brasileira. O orçamento da pasta neste ano será 16,2% superior ao de 2011 - o maior salto, em termos nominais, entre os principais ministérios.

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, negocia também com as cinco empresas estrangeiras que produzem equipamentos de acelerador linear para tratamento radioterápico de câncer para que instalem uma fábrica no Brasil. Padilha já apresentou
às companhias os ambiciosos planos do governo: adquirir 32 novas máquinas para distribuir nos hospitais da rede pública no Norte e Nordeste, e a atualização
tecnológica de outros 48 aparelhos espalhados pelo país.

Nenhum país tem um plano tão vigoroso de investimento no setor e as companhias
vão disputar esse contrato, que será para máquinas produzidas no Brasil, diz Padilha.

Em 2011, o governo importou 13 equipamentos. Uma licitação será feita tão logo as
empresas apresentem ao Ministério da Saúde seus planos de instalação de uma
fábrica no país.

O Ministério da Saúde tem despesas anuais de quase R$ 12 bilhões com medicamentos, equipamentos médico, materiais (órteses e próteses), hemoderivados, vacinas e reagentes para diagnóstico. Esse poder de compra, dizem os técnicos do governo, será a principal arma da política de incentivos ao setor que será implementada neste ano.

Segundo o diretor do Departamento do Complexo Industrial de Inovação e Saúde do
ministério, Zich Moysés, a definição do ágio que será aplicado pelo governo sobre
medicamentos ocorrerá neste mês, enquanto para fármacos será em fevereiro. Trata-se
do tipo de medida central para ampliar fortemente a escala da indústria nacional, afirmou.

O governo pretende incentivar, em especial, o segmento de produtos biotecnológicos,
cuja pesquisa no país é considerada avançada, mas a produção em escala, pífia. Com
o sobrepreço de 25% daremos um enorme incentivo à ganhos de escala na indústria.
Queremos entrar fortemente na produção de biotecnologia, afirma Padilha. A Empresa
Brasileira de Hemoderivados e Biotecnologia (Hemobrás) receberá R$ 263,8 milhões
para investimentos neste ano, segundo o Orçamento de 2012, aprovado no Congresso.

Outra estratégia definida por Dilma é a aceleração das parcerias público-privadas (PPPs) na área de equipamentos. Das 30 PPPs fechadas por Padilha em 2011, nada menos que 28 foram na área de medicamentos, uma para insumos intrauterino, e apenas uma para equipamentos hospitalares. Essa parceria refere-se à produção de um kit para teste rápido de HIV, rubéola e hepatite em pacientes do SUS. O poder de compra do Estado é determinante para a formação de um complexo industrial da saúde no país, afirma o ministro. A agenda de forte estímulo ao complexo industrial da saúde no país será fechada já nos primeiros meses do ano pelo conselho de ministros e depois remetida à
presidente, que acompanha de perto as discussões. Quando lançou o programa Brasil
Maior, no início de agosto, Dilma definira aos ministros que a primeira prioridade era
fechar um regime especial de tributação para o setor de defesa, fechado dois meses
depois. A prioridade, então, passou a ser o setor da saúde.

Principal bandeira do ex-ministro José Gomes Temporão, antecessor de Padilha na
Saúde, o forte estímulo ao complexo industrial da saúde nunca sensibilizou o ex-presidente, Luiz Inácio Lula da Silva da forma como sensibiliza Dilma, dizem fontes
próximas à presidente.

Em 2008, Temporão chegou a criar um Grupo Executivo do Complexo Industrial da
Saúde (GECIS), que acabou esvaziado pelo próprio governo com o estouro da crise
econômica mundial, no fim daquele ano. Temporão, no entanto, terá participação ativa
nos planos do governo Dilma - mas do outro lado do balcão. O ex-ministro foi empossado, há três semanas, como integrante do conselho científico da Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos, Odontológicos, Hospitalares e de Laboratórios (ABIMO), grande interlocutora do Ministério da Saúde nos planos de incentivos.

A primeira perna dos estímulos, centrada no ágio de 25% sobre o preço dos equipamentos e medicamentos vendidos ao governo, será complementada no segundo semestre deste ano, por meio dos incentivos fiscais. Essa questão está sendo negociada com o Conselho Nacional de Política Fazendária (CONFAZ) e envolve a redução do ICMS cobrado pelos Estados.

A principal reclamação dos hospitais é quanto ao ICMS, que encarece o produto nacional, deixando o importado ainda mais competitivo. Todos os hospitais nos apontam isso. Já levamos essa discussão ao CONFAZ, mostramos que há um esforço da presidente em estimular a indústria do setor, e vamos aguardar as determinações, afirma Padilha.


Fonte: Valor Econômico - 02 de janeiro de 2012 - João Villaverde

Hospital Carlos Chagas já com tomógrafo para obesos em uso


Um tomógrafo para obesos mórbidos foi inaugurado no final de dezembro, no Hospital Carlos Chagas, em Marechal Hermes. O novo aparelho poderá receber pacientes com até 320Kg, enquanto o peso máximo para os convencionais é de 150Kg.

A máquina de um tubo com 10 cm a mais de largura e vai permitir realizar 1.200 exames por mês.